sábado, 4 de maio de 2013

O calendário do futebol como um todo precisa ser revisto e passado a limpo

A última postagem do Diego Ivan dissecando o Campeonato Estadual, desmontando a farsa de que se trata de um produto de sucesso de bilheteria nos leva a refletir sobre o atual calendário de competições não apenas do futebol brasileiro, mas do próprio futebol mundial.
 
Comecemos pelo Brasil. Podemos constatar que não apenas o Estadual do RN é um fracasso, mas todos os demais são deficitários em termos de bilheteria. Os Estaduais do Nordeste ganharam uma sobrevida técnica em razão dos mesmos serem seletivos para a renascida Copa do Nordeste. 
 
Os Estaduais são por si só contraditórios. Ao mesmo tempo que são demasiadamente longos e enfadonhos, principalmente para os clubes inseridos nas Séries A, B e até mesmo a C, eles são torneios curtos e ingratos para os clubes que integram o bloco dos "fora-de-série". A reformulação dessas competições passa necessariamente pela seguinte fórmula: uma fase inicial mais longa, disputada apenas pelos clubes que lutam por uma vaga na Série D (os clubes das Séries A, B e C podem eventualmente disputar tal fase com times formados por atletas das cat. de base, caso tenho a estrutura necessária) e uma fase final mais curta, com a presença dos principais clubes de cada Estado que estejam inseridos nas 3 divisões principais.

Outro ponto vulnerável que atinge os Estaduais e o próprio Camp. Brasileiro está no excesso de jogos durante o meio de semana. As quartas e quintas deveriam ser reservadas única e exclusivamente para competições de tiro curto e cunho eliminatório, como é o caso da Libertadores, Copa do Brasil e Copa do Nordeste que, por serem competições de teor decisivo mais forte, são capazes de atrair um público maior em jogos de meio-de-semana. O Campeonato Brasileiro e os Estaduais devem concentrar suas datas aos domingos justamente porque possuem um teor decisivo menor. Quando marcados nas terças/quartas/quintas, a tendência é de público ainda menor.
 
Só que tal mudança acontecerá apenas no dia em que essa cartolagem vazar, pois o famigerado José Maria Marin inclusive é partidário da manutenção dos Estaduais e se for possível é capaz de acabar com o Campeonato Brasileiro por pontos corridos.

Mas não é só o calendário brasileiro precisa ser repensado. O calendário como um todo é inchado e mal organizado. São muitas "datas-FIFA" espalhadas pelo ano que acarretam e dor de cabeça para os clubes, que tem que ceder seus atletas para as seleções nacionais, correndo o risco dos mesmo se contundirem no meio de uma competição qualquer. E para quem pensa que apenas no Brasil a seleção nacional desfalca os clubes, na Europa isso também ocorre, com as disputas das fases preliminares da UEFA Champions League ocorrendo muitas vezes no mesmo período de uma Copa do Mundo ou Eurocopa, mas isso só é sentido pelos clubes de seleções intermediárias. Melhor seria concentrar as competições e amistosos de seleções em um determinado período (final de maio até meados de julho).

E para aqueles que defendem que o calendário brasileiro deva ser ao calendário europeu, saibam que no Velho Continente cresce justamente um movimento contrário: há estudos para que a temporada comece e termine no mesmo ano, com as férias dos atletas (ou parte delas) se deslocando para o inverno europeu em dezembro/janeiro. Tal mudança, caso ocorra, deve acontecer nos idos de 2018/2019, logo após a Copa do Mundo na Rússia.

E para as principais seleções nacionais, aquelas que tem muitos atletas nas principais ligas européias, seria até melhor, pois os mesmos disputariam Copa do Mundo e Eurocopa mais inteiros, pois estariam em meio de temporada. E o próprio nível técnico dessas competições subiria.

Enfim, o calendário do futebol mundial é algo que precisa ser solucionado e equalizado. Só que com esses velhacos, é complicado.

Gustavo Lucena

4 comentários:

Breno Cardoso disse...

Outra coisa que precisa também ser revista é o calendário da copa do nordeste, porque os times que foram eliminados na 1ª fase ficaram num período de sazonalidade de 1 mês sem disputar jogos até que começassem os seus respectivos campeonatos estaduais

Gustavo Lucena disse...

Como falei, a Copa do NE poderia ser disputada apenas no meio de semana, já que seu formato de disputa é similar ao da UEFA Champions League / Libertadores, ou seja Fase de Grupos + mata-mata. Aí os fins de semana seriam reservados para os Estaduais/Camp. Brasileiro.

Breno Cardoso disse...

É uma ótima saída, mas eu acho que a organização tem medo de os clubes deixarem de lado se ela for disputada junto ao brasileirão

Diego Ivan disse...

Eu tenho extrema dificuldade em aceitar esse seu calendário. Não consigo perceber como competições disputadas ao mesmo tempo seriam valorizadas, normalmente haverá prioridades. Quando há prioridades, algumas competição são relegadas a terceiro plano.


A minha solução é diminuir o numero de datas do Estadual, talvez pela metade ou menos. Deixa a CN onde ela está no calendário e reduz algo em torno de 30% dos jogos do Estadual. Assim, dedicasse os domingos aos estaduais. Só assim, e com dinheiro, os Estaduais poderiam rejuvenescer.