sábado, 4 de maio de 2013

O engodo do Campeonato Potiguar 13

Olá amigos do Blog Papo Alvinegro, estou chegando agora para falar do Campeonato Potiguar de 13 promovido pela FNF. Escrevo exatamente para quebrar o discurso chapa branca, que tentará vender ao torcedor o sucesso da competição Potiguar que repete o fracasso histórico dos últimos anos. Falarei de cinco pontos básicos que exemplificam o fracasso da FNF e dos Clubes. 

Presença de publico

O Campeonato Potiguar deste ano foi dividido em três etapas, 1ª Fase, Taça Cidade do Natal e Copa RN. As três etapas da competição apresentaram baixíssima presença de publico e consequente prejuízo financeiro. 

Com números de Marcos Trindade publicados em seu Blog(Clique Aqui). Em todo Campeonato Potiguar, exceto as finais da Taça RN que ainda não ocorreu, a média de publico não passou de 831 pagantes por jogo. Resultado, todas as equipes do Estadual basicamente pagaram para jogar. 

1ª Fase – 56 jogos para 39.212 pagantes = Média de 700 torcedores
Taça CN – 30 jogos para 34.021 pagantes = Média de 1134 torcedores.
Copa RN – 28 jogos para 26.172 pagantes = Média de 935 torcedores.
Até o momento – 114 jogos para 99.405 pagantes = Média de 872 torcedores.

Para os dois turnos com ABC e América    
58 jogos para 60.193 pagantes = Média de 1.038 torcedores.

Arbitragem

A arbitragem local é lastimável. Infelizmente parece que a Comissão Estadual de Arbitragem (CEAF) parece estar anestesiada, afinal, ano após ano o nível técnico das arbitragens só piora. Todas as torcidas tem algo a reclamar, sem exceções. A falta de critérios técnicos, farta distribuição de cartões durante os jogos, desnivelamento técnico entre os árbitros e outros fatores que passam despercebidos por olhos leigos. O resultado é um salseiro de fazer gosto.  
  
Organização 

A confecção da tabela foi bastante discutida já no inicio do Estadual. Alguns times foram privilegiados com mais jogos como mandante aos domingo(dia de melhores públicos), enquanto outros mandaram a maioria de seus jogos no meio de semana. Além disso, outro fator pouco discutido foram os jogos realizados apenas aos domingos e quartas. Uma boa medida seria promover jogos sábados/domingos e quartas/quintas. Sem isso, com rodadas ocorrendo no mesmo dia, o torcedor tem menos chances de acompanhar outros jogos da rodada além dos do seu time. A transmissão de TV proibida de fazer transmissões de alguns jogos, mesmo com contrato em vigor também é uma excrescência.

Financeiro

A TV que transmite os jogos não tem dinheiro para compra a Competição. Marcas patrocinam o Campeonato, mas nenhum valor é revertido aos Clubes, apenas desoneram a folha de campo. Os públicos dos jogos são risíveis, os times habitualmente pagam para jogar. Nesse aspecto é só prejuízo.

Índice técnico

As equipes que querem investir na montagem de boas equipes não tem fonte de renda. As equipes maiores investem mais sabendo que terão prejuízo. Duas equipes deixaram o certame com menos de um mês e meio de disputa. Algumas agremiações apostam em veteranos e em promessas, mas não conseguem apostar em bons valores nesse espaço vazio. O índice técnico acaba sendo baixo, o que não atrai publico, patrocínios e por fim visibilidade. 

------------------------------------------------------------

O que foi exposto acima é a receita do fracasso. Baixíssima presença de publico, arbitragem das mais fracas do Brasil, organização absolutamente inexistente, financeiramente no vermelho, índice técnico abaixo da media e lamentável em vários casos. Não me entendam mal, eu gosto de futebol em qualquer esfera de competição, mas dizer que o Campeonato Potiguar de 13 foi um sucesso é querer enganar trouxa.   

6 comentários:

Diego Ivan disse...

Quem leu este texto assim que ele foi publicado, por favor leia novamente. Fiz modificações no texto algum tempo depois.

Gustavo Lucena disse...

Outro fator determinante para o fracasso: o excesso de rodadas. Praticamente tivemos jogos todas as quartas e domingos, não tem torcedor que aguente. Como já foi apurado aqui no blog, o Estadual do RN é o mais longo e espremido do país, com 32 rodadas (podendo chegar a 34 caso o Potiguar ganhe o 2º turno) disputadas entre janeiro e maio.

E ainda tem a aberração situação de que 2 clubes já encerraram a temporada em fevereiro.

De acordo com o Código do Consumidor, diria que o Estadual-2013 é uma propaganda abusiva e enganosa.

PS: se quiser complementar os dados que expus ao seu texto, sinta-se a vontade.

Gilvandro Alves disse...

Concordo com quase tudo que você escreveu, mas é bom dizer que todos os campeonatos estaduais deste ano foram um fiasco. O que falar do campeonato carioca e do paulista. Prejuízo total para os clubes, prejudicando inclusive a participação em competições internacionais.


O excesso de jogos é uma das razões do afastamento do torcedor dos estádios.


Os campeonatos estaduais têm que acabar, para o crescimento do futebol brasileiro. Não existe isso em nenhum país do mundo.


Enquanto tivermos times sazonais, semi-amadores, que jogam apenas esses campeonatos estaduais falidos, estamos fadados ao fracasso e ao esvaziamento dos estádios.


Assistir a essas peladas dos estaduais, até pela televisão dá sono. Uma lástima o atual futebol brasileiro!

Luciano disse...

Francamente? Achei o texto muito bonzinho para nao dizer o contrário! Esse campeonato na verdade foi/está sendo um farsa. Claro que nossa incompetência nos tirou das finais do segundo turno, mas as decisões da arbitragem ajudou tb muito para isso. Vc só conseguiu escrever essas palavras "suaves" sobre essa tabela escandalosa? Até hoje ninguém explicou como essa tabela foi confeccionada, mas desconfio q a mesma foi confeccionada na Rodriges Alvez! Silêncio foi a palavra chave da mídia esportiva potiguar sobre esse absurdo q foi essa tabela. Por que será? E nossa diretoria? Ela existe? Ninguém deu um piu sobre essa tabela!
E o que dizer dos clubes do interior "abrindo" literalmente para clubes de Mossoró? O que dizer de dirigentes falando abertamente sobre abrir jogo para prejudicar o ABC? O que dizer sobre jogadores denunciando suborno para abrir o jogo? Será que coincidência que dois desses dirigentes de clube do interior são conselheiro de um clube da Capital? Me desculpe, mas considero que os bastidores desse campeonato foi mais importante que a bola jogada e em se tratando de bastidores nossa diretoria está há anos luz de alguns clubes aqui do estado. Seu texto é bem pertinente, mas pegou leve demais!
Saudações alvinegras!

Diego Ivan disse...

Ok Luciano, poderia fazer mais dura a critica, de repente citar nomes mesmo correndo risco de processo como já fiz aqui anteriormente. Algumas informações que você passou são novidade, mas sinceramente não era minha intensão acusar ninguém de facilitação de resultados. O nosso futebol sempre foi baixo a esse ponto, não é novidade.

Outra coisa, na apresentação do texto eu disse que falaria de cinco pontos básicos. Falei de cinco pontos básicos e não só da tabela como você enfocou.

De modo geral o que escrevi são sinônimos do que você escreveu.

Diego Ivan disse...

É verdade que basicamente todos os estaduais foram um fracasso, mas digo que assim foram por que seguiram uma formula fracassada.


Por que ao invés de acabar a solução poderia ser uma "revolução" em formulas e formatos? Não há nada de novo nos últimos 60 anos.