terça-feira, 21 de agosto de 2012

Jogando a toalha nesta Série B

Por estar em viagem no interior, não compareci ao vexame de sábado passado.

No entanto, liguei o rádio na altura de Tangará, e consegui acompanhar grande parte do 2º tempo. Sintonizando nas 3 rádios (96, 98 e Globo AM), percebi que a opinião dos comentaristas Ferdinando Teixeira, Edmo Sinedino e Lupércio Luiz era uniforme: todo o time estava uma lástima, mas alguns jogadores estavam destoando dos demais em ruindade, e, coincidência, o trio apontava para os mesmos jogadores.

Ao mesmo tempo, os radialistas noticiavam a fúria da Frasqueira com o time.

Dito isso, não seria difícil para quem só ouviu o jogo fazer uma análise razoável.

Porém, ficarei restrito a palhaçada que aconteceu no gol da vitória do Boa Esporte (sim, eu vi o lance no Youtube). Na minha visão, ficou patente a falta de compromisso dos atletas, que não esforçaram para tirar a bola dos pés de Francismar e Jajá. 

Pra mim, esse lance marca definitivamente minha descrença e desprezo nesse "time". 

Estou jogando a toalha no que tange ao que o ABC FC vai fazer no restante da Série B. Espero apenas que se mantenha onde está, de qualquer jeito.


Continuarei pagando meu sócio-torcedor, ajudando dentro das minhas possibilidades, mas não me darei ao trabalho de abdicar de afazeres mais importantes e interessantes para ir ao Frasqueirão às 22 horas de uma terça qualquer para prestigiar esses escrotos que estão vestindo a camisa do Mais Querido. Futebol só aos sábados e olhe lá.

Não é questão de modismo, pois já fui ao Frasqueirão em momentos muito piores do clube. É uma forma de protestar contra esse treineiro, contra essa falta de garra dos atletas, contra essa política de contratações desenfreadas e sem qualquer critério, enfim, contra o gerenciamento do futebol de uma forma geral.

Ontem mesmo o ABC contratou mais 2 atletas, inchando ainda mais o elenco e aumentando ainda mais a bola de neve.

Há algo de podre no gerenciamento do futebol do clube, e isso já foi amplamente exposto aqui nesse blog.

Não aceito que o ABC tenha em seu elenco 40 e poucos jogadores que NÃO pertençam ao clube.

Não aceito que desses 40 e poucos contratados, apenas uns 5 tenham futebol p/ disputar a Série B.

Não aceito o fato de que jogadores pratas-da-casa com bom potencial sejam colocados na geladeira por um treineiro que nada sabe de futebol e que acha que soltar foguetão é uma estratégia de jogo.

Não aceito Erivelton ser colocado na geladeira e ver que Elielton, Fábio Neves e Fernando sempre têm chance de ir ao banco. Além disso, Raul e Jérson vivem uma fase pior que a do prata-da-casa.

Não aceito os empréstimos gratuitos de Alvinho e Alexandre quando vejo que perebas como Joelson, Allan, Airton e Murilo continuam aqui e com perspectivas de figurarem como opções para o banco.

Não aceito a forma como ocorreu a dispensa de Alysson, em que o treineiro fez uma tremenda caveira do jogador.

Não aceito essa política insana de contratar 10 perebas que custam no total R$ 100 mil - valores estranhamente inflacionados - ao invés de trazer 2 jogadores realmente de qualidade técnica pelo mesmo preço.

Não aceito esse ciclo vicioso em que o ABC na Série B vire uma reles vitrine para o empresariado fazer a festa com seus perebas. Já disse aqui que na Série C o ABC costuma montar times bem mais competitivos e enxutos e a margem de erro é menor.

Não aceito que o clube fique refém de treineiros e jogadores mimados e coxinhas, que estão fazendo os torcedores de gato e sapato.

Me desculpem o desabafo, espero que me entendam e respeitem minha pessoa.

Gustavo Lucena

PS: Embora tenha "desistido" do ABC nesta Série B, continuarei a escrever por aqui sobre o Mais Querido. Até porque, a eleição do clube é logo ali.


Acessem:

6 comentários:

Múrcio disse...







Desde que o Abc
desmanchou o time vitorioso do ano passado que “o mundo todo” diz: precisamos
de um zagueiro, um volante, um meia e um atacante de qualidade para começar montar
o time. Acrescentando um goleiro, que nós já tínhamos remanescentes do ano
passado, isto se chama “espinha dorsal” do time, o esqueleto do time.


O Abc atendeu bem a esta exigência
e até montou um bom time para o estadual, mas não “deu liga” e depois não soube
contratar reforços para o Brasileirão e ainda perdeu alguns bons valores que
tinha. Somando-se a isto, as contusões prolongadas de Bombinha, Renatinho, Basílio
e Luizão, além da decepção do W9, nosso time hoje, apesar do plantel muito “inchado”,
é muito fraco tecnicamente e já está no limite psicológico, não agüentando mais
a pressão.


Já vamos entrar no nono mês
do ano e continuamos precisando de um zagueiro, um volante, um meia e um
atacante de qualidade, mesmo depois de vinte e três contratações somente após o
estadual, já computando as duas últimas da semana. Somente para a meia
contratamos Thiaguinho, Guilherme, Alexandre, Everton Sena, Fernando, Fábio
Neves, Jean Carioca e Everlan. Alguns ainda nem jogaram, outros já foram embora
sem jogar e continuamos apenas com Raul, pois Jerson é volante e não temos
substitutos para estes dois jogadores.


Não seria muito melhor
contratarmos apenas dois jogadores de qualidade ao invés de oito, que na
maioria nem chega a jogar de tão ruins que são? Acho que está chegando a hora
de mudarmos nossa reivindicação. Estamos precisando mesmo de contratar é um
profissional que saiba contratar jogadores, pois é inadmissível que contratemos
tantos jogadores sem a mínima condição de vestir a camisa de “qualquer time” da
série B.


Sobre novas contratações,
costumo só dizer alguma coisa
depois de ver os jogadores jogando hoje e não gosto de avaliar histórico de jogador.
Vejam o exemplo do W9, melhor histórico não podia. Mas depois de tantas decepções,
faço questão de queimar minha língua sobre as duas últimas contratações.


Como pode dar certo uma
contratação de um atacante que estava encostado num time da segunda divisão de
estadual? Como pode dar certo um atacante que há nove meses não faz um gol? Como
pode dar certo a contratação de um meia que estava encostado num time que está
pior que o Abc na tabela de classificação? Será que o Asa tem “um Gerson com G”
e mesmo assim o time está na zona da degola? Ou será que o comando técnico do
Asa não tem ninguém vendo o talento desse Everlan?


Espero e faço questão de
queimar minha língua desta vez, para ver se o Abc acerta alguma contratação e
possamos sair desta situação, que a meu ver, está fugindo de controle. Se já não
fugiu...



Guilherme disse...

Entendo perfeitamente o que você está sentido. Depois desse último jogo, não vou colocar como prioridade nº 1 assistir o ABC jogar. Quem passa a semana inteira trabalhando, merece algo melhor do que ver jogadores de qualidade duvidosa e desinteressados, fruto de um "planejamento" errado. Por isso mesmo é que precisamos estar diligentes e atentos ao futuro administrativo do Clube. Administrações passam, mas o ABC fica!

Wellington disse...

Na moral, eu pensava que o problema ainda era do comendador, Leandro Campos.

Diego Ivan disse...

Conhecendo o comendador, ele já teria pedido pra sair.

Diego Ivan disse...

Concordo com vc, principalmente por que a previsão é que o ABC tenha dobrado a divida deixada por Judas, ao final do mandato de Rubens.

Anônimo disse...

Vcs blogueiros nunca estao satisfeitos com nada. So sabem fingir q entendem de futebol e cornetar.