quinta-feira, 19 de abril de 2012

Os atuais problemas do ABC

Nem tanto pela eliminação de ontem, mas já está na hora de debatermos o que se passa no ABC FC.

Tenho a sensação de que algo está errado, principalmente no que tange ao futebol.

Alguns pontos tem me  feito refletir se o ABC se perdeu ou não no meio do caminho.

1-Categorias de base:

Mais do que nunca, está muito na cara de que o trabalho nas bases perdeu sua valia.

O ABC desde que voltou a Série B, sabe que é muito difícil concorrer contra a turma do ex-Clube dos 13 na hora de arrecadar verbas da TV, conseguir patrocinadores e contratar os melhores jogadores possíveis. E que se um dia voltar a Série A, com a atual filosofia vai fazer o mesmo papelão dos encarnados, pois o abismo financeiro entre o ABC e os 12 do Eixo RJ-SP-RS-MG é covardia.

Então a alternativa seria investir nas bases. Vendo de fora, fica a impressão de que o trabalho iniciado na gestão anterior foi descontinuado. Os jogadores das bases são fracos (fisicamente e tecnicamente) e desmotivados, pois eles sabem que Leandro Campos simplesmente não dar qualquer chance aos atletas caseiros, nem mesmo nas partidas do fraco Estadual.

Qual é a motivação que um sub-20 do ABC tem ao saber que, com Leandro Campos no comando, nunca terá vez de mostrar serviço?

Porém, como reitero, a atual geração de pratas-da-casa não tem qualquer apoio da atual direção, basta ver o físico dos atletas, sem qualquer massa corpórea que os habilite a enfrentar os marmanjos.

Ao invés de gastarem rios de dinheiro em jogadores de qualidade duvidosa, deveriam usar essa grana para  formar novos atletas e cidadãos. Não é isso que acontece.

2-Era Leandro Campos:

Tudo bem que ontem ele não teve culpa direta pelo time ter entrado em parafuso nos últimos 10 minutos de jogo, mas é aquilo que Diego Ivan falou em seu impecável texto reflexão condicionada.

O time de Leandro Campos lembra aquela cena clássica do filme "Tempos Modernos", onde o operário protagonizado por Charles Chaplin está tão bitolado em apertar parafusos que mesmo quando alguém remove-o do lugar, ele continuar a fazer compulsoriamente o mesmo movimento. Foi o que aconteceu ontem e é o que vem acontecendo. Com a entrada de Leandro Cardoso no lugar de Washington, o time com uma naturalidade recuou barbaridade a ponto de nem mesmo com o treinador ter ordenado para adiantar a marcação, o time ter obedecido.

Fica muito  patente o desgaste da filosofia implementada por Leandro Campos. Principalmente agora em que a qualidade técnica dos jogadores que possui é fraca. Não existe mais um Cascata, um Leandrão, um Lins, um Ricardo Oliveira ou um João Paulo para fazerem a diferença.

Junte isso ao fato de que ele não tem dado chance a todos os jogadores, muito embora avalize a contratação dos mesmos.

3-(Falta de) Habilidade política da Diretoria

Desde que Rubens Guilherme e seus auxiliares assumiram o comando do clube, fica a impressão de que eles parecem pouco afeitos a agirem nos bastidores e a se articularem politicamente. Acreditam de que tudo pode ser conquistado dentro de campo ou em ações de marketing.

Em 2010 surgiu um boato de que o Clube dos 13 estava querendo incorporar os clubes inseridos nas Séries A, B e C, formando uma aglomeração de 60 agremiações. Levei isso para a mesa formada, mas a resposta que veio foi de que o que importava era que o ABC obtivesse os resultados em campo que naturalmente os convites dos grandes viriam.

Ledo engano. A postura um tanto fechada da Diretoria tem rendido revezes desde que chegou a Série B. Ano passado o ABC foi operado em várias ocasiões, inclusive dentro do próprio Frasqueirão.

Chegou-se ao absurdo do clube aceitar passivamente o fato de um juiz escroto como Emerson Pereira de Almeida ter apitado ABC x Sport no Frasqueirão após aquele roubo grotesco em S. Januário. Mesma coisa aconteceu com Alício Pena Júnior ontem. E a Diretoria - até onde eu sei - sequer abriu um processo na Comissão de Arbitragem para pelo menos melar a ficha dos maus ábritros.

A Diretoria parece não demonstrar muito interesse em se articular para lutar por melhores verbas para os clubes pouco privilegiados. A Série B desse ano terá Atlético-PR, Vitória, Goiás, Ceará e Avaí como os queridinhos da mídia. São eles que a Globo/cbf aceitam ver na Série A em 2013. São eles que terão as verbas mais gordas. Até quando a Diretoria aceitará receber esmolas enquanto a concorrência recebe gordos banquetes?

 Outra prova de inabilidade ou desinteresse político: o jogo Vitória x ABC foi um dos jogos que teve transmissão aberta da TV Globo ontem. Por que a Diretoria não foi até a InterTV para convencer os maganos de lá a capturar o sinal da Rede Bahia e com isso transmitir o jogo para Natal? É essa Diretoria que quer o apoio da Frasqueira quando numa hora em que poderia agir demonstra-se alheia e omissa?

4-Contratar X Investir nas bases

A qualidade dos reforços demonstram o desperdício de dinheiro gasto. 

Elielton, Luiz Ricardo, Carlinhos Santos, Jadson Sapé, Adriano Pardal, Paulista, Leo Gamalho, Berg, Washington e Murilo representam uma fortuna que poderia ser empregada nas bases e na busca de jogadores da terra. Nenhum deles inspiram confiança para a Série B e Washington, antes do jogo de ontem, vinha sendo uma tremenda decepção. Em certos casos, a qualidade dos reforços chegam a ser piores do que a dos jogadores que já estavam aqui. Alguém acha que Pardal e Paulista são melhores que Alvinho? E o que Murilo fez para ser titularíssimo e com isso colocar Édson em segundo plano ou até mesmo fazer com que a diretoria fizesse de tudo para se livrar de Nêgo?

Sou a favor do investimento das bases aliada a contratações pontuais e acertadas, como ficou demonstrada na chegada de Raul, Alisson, Eduardo, Luizão e Boaventura, bem como nas renovações de Jérson e Renatinho Potiguar, p.exemplo.

A situação vivida no ano passado, em que só para a Série B foram contratados 2 times inteiros, é algo tão bizarro que deveria ser motivo para o Conselho Deliberativo do clube pedir explicações ao responsável por tais contratações, principalmente o fato de que a grande maioria delas não deu certo de maneira alguma ou representaram um gasto desnecessário pelo fato de não ter sido sequer utilizado (exemplo: Victor Hugo).

Porém o que vemos é que os atletas da base ou mesmo nascidos aqui simplesmente não têm vez e para vestir a camisa do ABC, pouco importa se o cara é um brucutu. Basta apenas falar chiando que já ganha a titularidade no time.

5-Conclusão

Enfim, tem muita coisa mal explicada no ABC e que precisa ser repensada nesses 30 dias que faltam para a Série B.

A atual situação lembra um pouco o ponto de inflexão gerado em 2009, após as eliminações gratuitas na Copa do Brasil (contra o Atlético-PR, quando o clube não fez qualquer força para brigar pela competição) e no Estadual (onde o ABC perdeu tudo, e não foi para o rival, e sim para o modesto Potyguar-CN), em que a Diretoria e todos que fazem o ABC perderam o rumo no restante da temporada.

Por isso, é bom que o ABC busque um novo eixo, não só para o restante da temporada, mas para o futuro.

Gustavo Lucena

4 comentários:

Fernando disse...

Esse texto tem que ser enviado para a direção do clube e divulgado por todos os blogs e redes sociais! parabens Gustavo, onde é que eu assino!

Plínio Altoé disse...

Isso que me revolta, será que essas palavras chegam aos ouvidos dos dirigentes?

Múrcio disse...

Concordo com tudo o que está escrito neste blog, por isto peço permissão para colocar um link no meu blog (BLOG DO MÚRCIO - http://edmurcio.zip.net/) sobre este tema. Também há muito tempo venho me preocupando com o extra campo do Abc, conforme notas que tenho publicado nos meios esportivos e até mandei e-mail para a nossa diretoria e nem resposta recebi.
Nas derrotas botamos culpa nos jogadores, no treinador e até no juiz, mas muitas vezes perdemos o jogo fora de campo mesmo. Nossa atual diretoria tem acertado muito, é bom que seja ressaltado, mas uma coisa ela ainda não conseguiu: fazer com que sejamos respeitados como um time grande. Isso nem aqui no estado está acontecendo. Quando vamos jogar lá fora, então, nem se fala. Ontem mesmo comentei sobre a falta de apoio da imprensa esportiva do estado. Com certeza os principais narradores, locutores e apresentadores são americanos ou alecrinenses (incrível), o que é um direito deles, mas que respeitem o nosso clube.
Vejo também que o empresariado local deve ser também a maioria americana, pois vejo jogo de terceira divisão (ano passado) sendo transmitido para Natal e o Abc na série B não teve um jogo transmitido pela TV. Que a Globo é rígida em sua programação, todo mundo sabe, mas ontem no horário que a rede nacional estava passando outro jogo, se a Inter TV quisesse, mudaria o jogo, pois como todos nós já sabemos a afiliada da Bahia passou este mesmo jogo para o interior. E se você olhar no horário de qualquer jogo da Globo, na parabólica passa um jogo, na TV a cabo é outro, na antena local é outro. No interior do Ceará passa outro. É só ter vontade.
Outra coisa que vejo o Abc agir como time pequeno é na hora que tem que catimbar ele não catimba. Não estou dizendo que devemos sempre este tipo de expediente, mas temos que saber segurar um resultado. Quando estivermos inferiorizados por qualquer motivo, vamos ganhar na marra, como o América fez com a gente nos dois últimos clássicos. Eles ganharam na catimba. Depois de ver hoje um vídeo de 10 minutos do jogo de ontem, vi que o abc levou o segundo gol aos 44 minutos e 30 segundos. O Abc ainda estava classificado, os jogadores baixaram a cabeça e nem seguraram a bola impedindo que os jogadores do Vitória a levassem para o centro do gramado. Era hora de alguém fazer alguma coisa que não fosse do futebol para impedir que houvesse jogo. Até a torcida já havia abandonado o time. Bateram o centro e com a maior displicência entregaram a bola de novo. O último pênalti foi aos 45 minutos e 44 segundos, sendo que o jogo iria até os 48 minutos. Pênalti infantil que nem vou comentar. Aí o Abc resolve fazer cera. O juiz já havia marcado o pênalti, não ia voltar atrás, e tome conversa no meio de campo. Pode rever quem quiser lá no blog de Alexandre Costa. Só aos 48 minutos e 40 segundos o Abc deixou bater o pênalti. Aí nem se ele tivesse mais força, empataria o jogo.
Acho que este grupo do Abc é muito fraco e até que fez mais do que eu esperava. Mas bem que podia ter um líder em campo para fazer valer a nossa força dentro de campo, já que fora estamos perdendo feio.

Stanley disse...

Gustavo Lucena, sua análise é extremamente lúcida. Parabéns! Concordo com tudo que foi exposto