terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

É muito fácil ser pedra

Pedra ou vidraça?

Muitos amigos, principalmente aqueles que sabem que eu acompanho o futebol local, estão me procurando e perguntando a minha opinião do porquê Potyguar, ASSU e Santa Cruz estarem tão mal na tabua de classificação do Estadual, mesmo essas equipes tendo feito campanhas tão boas em 2009 e tendo investido na manutenção do elenco? A resposta dessa pergunta é complicada, são muitos fatores que podem explicar esse fato, mas se tem uma máxima popular que cabe para o futebol é: “Uma coisa é ser a pedra, outra coisa é ser a vidraça”.

É claro que equipes como ABC, américa e até mesmo o Alecrim, pela historia e tradição sempre serão vidraça, nunca serão considerados equipes sem expressão, nunca serão pedra, serão sempre vidraças expostas como alvos.

Já Potyguar, ASSU e Santa Cruz, devido a seqüência recente de bons campeonatos, que culminou com o título de ASSU e o vice do Potyguar, deixaram momentâneamente de ser pedra e passaram a ser vidraça.

Com essa mudança de patamar alguns efeitos incidem no elenco de jogadores, principalmente no que diz respeito a responsabilidade. Se tem uma coisa que separa o profissional do futebol, do peladeiro é a chamada responsabilidade. Tem nêgo que quando sente a verdadeira responsabilidade no futebol a perna murcha, dá uma preguiça de treinar, começam a morrer os Pais, Avós e Irmãos. Tudo é motivo para não se cumprir com as responsabilidades diárias de um atleta. Os jogadores considerados refugos de equipes grandes, e agora expoentes das conquistas já não rendem mais, começam a ter defeitos até então inexistentes.

Além disso, as demais equipes da competição começam a jogar precavidas, evitam jogar abertas, programam retrancas, ou seja, jogam da única maneira que seu adversário sabe jogar. Isso força uma mudança de postura das antigas pedras, que agora estão expostos e vulneráveis ao seu próprio veneno. O antídoto para esse veneno é a qualidade, mas com os refugos verdadeiramente refugando, só contratando.

Pois bem, é claro que o Estadual só está começando, sem sombra de duvidas os três interioranos tem tudo para se recuperar, mas o que tem que ficar claro é que o sucesso no futebol também cobra um preço bastante caro. Quem é que tem condições de pagar-lo?

papoalvinegro@gmail.com

2 comentários:

Black Ace disse...

Brilhante Dieguito.

Gibson Azevedo disse...

Brilhante mesmo! Nuito boa e centrada argumentação. Estás pegando o jeito, moleque!... Parabéns.