quarta-feira, 6 de maio de 2015

Toda prepotência será castigada


Antes de entrar propriamente no foco da coluna, é preciso fazer justiça com quem merece.

Perder dentro de campo faz parte, e uma derrota para o américa era algo bem previsível, apesar de nosso time em tese ter se mostrado muito mais competitivo.

Façamos justiça a  Josué Teixeira e Ademir Fensan, que foram um dos raros acertos da diretoria de 2011 pra cá, ainda que tais acertos aconteceram meio que acidentalmente

Assim, Josué Teixeira merece nosso respeito e apoio, mesmo não estando imune a erros, muito embora os cometidos nas finais poderiam ter sido evitados se ele não tivesse dado ouvidos a impren$a.

Do mesmo modo poupemos os jogadores, eternos bodes expiatórios nas derrotas. Os dias ruins acontecem com todos. E coincidiu de, nas finais, alguns de nossos jogadores não estarem em seus melhores dias.

Agora passemos a falar do tema principal da coluna.

Se existe algum consolo na derrota no Estadual, é que ela foi uma verdadeira ducha de água glacial na arrogância da nossa diretoria, em especial no sr. Rogério Marinho.

Na minha modesta opinião, o ABC e a Frasqueira não merece estar a mercê de uma diretoria que em nada, absolutamente nada tem a ver com a nossa torcida. 

Se o ABC tivesse vencido o campeonato, muitos erros teriam sido varridas pra debaixo do tapete. E o sr. Marinho,  um esteriótipo perfeito do natalense esnobe, iria passar a vida inteira do direito de fazer tudo, de ser o senhor absoluto do Mais Querido.

Infelizmente somente com a derrota no Estadual é que os problemas administrativo e o descaso com nossa torcida voltou a tona, pelo menos nas redes sociais.

Não dar pra esquecer os maus-tratos que mais uma vez nossa torcida sofreu sábado, conforme depoimentos prestados por testemunhas idôneas e insuspeitas, onde a Frasqueira foi tratada como gado.

Não dar pra esquecer que esses mesmos dirigentes vetaram o implemento das eleições diretas no clube.

Não dar pra esquecer a falta de transparência na gestão do clube.

Não dar pra esquecer o antimarketing que, ao invés de chamar o torcedor, acaba por afastá-lo mais e mais. Falando em marketing, este foi engolido pela arrogância, pois seus dirigentes prometeram lançar um "novo" programa de Sócio ao término do Estadual, possivelmente contando com o ovo que ainda estava dentro da galinha. Como o ovo não veio...

Não dar pra esquecer as centenas de contratações bisonhas e com interesses nunca esclarecidos desde 2011.

Não dar pra esquecer a "terceirização" do time a Alex Fabiano, que culminou no vexame do 1o turno.

Não dar pra esquecer a imensa blindagem que eles construíram em conluio com a imprensa para abafar os descaminhos administrativos e enganar a Frasqueira ao dizer que estava tudo bem. Engraçado é que um certo profissional da imprensa queria imputar a Judas Tadeu e Sérgio Alves a razão da derrota do time. E teve outro radialista que disse que os problemas administrativos do ABC não eram de interesse do seu torcedor e que por isso não deveriam ser noticiados.

Não dar pra esquecer as ações na justiça do trabalho.

Não dar pra esquecer o endividamento desenfreado, a nefasta figura do Dr. Hectare sempre rondando o Complexo Vicente Farache, o Vice-Presidente que fez questão de tomar o terreno do clube e chegou a destruir parte do CT, o contrato malfeito com o Arena das Dunas e por aí vai.

Não dar pra esquecer a série de desaforos e insultos que foi feita contra os opositores da diretoria - e jamais do ABC FC -  em especial aos ex-presidentes Judas Tadeu e Leonardo Arruda que, gostem ou não, cansaram de ganhar títulos, montar times competitivos e sempre trabalharam em defesa do patrimônio do clube.

Não dar pra esquecer as entrevistas onde os dirigentes arrogantes sempre culpavam a Frasqueira pelos erros eles próprio cometiam.

E principalmente, não dar pra esquecer que essa diretoria praticamente expulsou a Frasqueira, o torcedor mais pobre, de acompanhar e apoiar o Mais Querido, pois o "custo ABC" (que abrange não apenas o ingresso, mas o consumo e os serviços prestados em torno do jogo e o programa de Sócio-Torcedor) ficou proibitivo. Hoje a nossa torcida é homogênea, quem vai ao jogo é basicamente a turma da Zona Sul-Plano Palumbo. Os torcedores mais humildes, o antigo geraldino do Machadão, aquele que fica na porta do estádio juntando trocados para assistir o jogo, não parecem mais servir a instituição ABC FC, na ótica capitalista-selvagem da diretoria.

Ou seja, a derrota no Estadual foi um castigo à arrogância e empáfia de dirigentes que desprezam a Frasqueira e envergonham a história do ABC.

E quem perde no final das contas é o ABC e nós da Frasqueira que, no ano do Centenário, tem que lidar com talvez a pior diretoria de toda a sua história.

Gustavo Lucena  

2 comentários:

Fernando disse...

Concordo com você em tudo a que se refere a Rogério marinho! Para mim um canalha. Porém não é exclusividade dessa diretoria o processo de elitização que a muito ocorre no ABC, em relação a times fortes montados por judas não me lembro de tantos assim, pelo contrário. Quantas vezes ficamos FORA DE SÉRIE? Sobre eleições diretas os que hoje estão clamando por democracia tiveram muitas oportunidades de implantá-las no clube e mão fizeram.vejo isso mais como casuísmo e estão usando gente de boa fé como você como massa de manobra. Quero um cube moderno, com gente de uma outra visão, com participação realmente popular, e sinceramente não vejo em Leonardo é muito menos em Judas Tadeu essa mudança que espero no clube.

LUIZ COELHO disse...

CONCORDO EM TUDO...DIRETORIA MEDÍOCRE...