terça-feira, 11 de junho de 2013

Um relato sobre minha microparticipação na reunião do CD de ontem

Por livre e espontânea pressão regimental, fui a reunião do Conselho do ABC FC.

Fui direto do trabalho para o clube, chegando as 17h30 e evitando o rush, justamente para não chegar stressado.

No horário da segunda chamada, ou seja, as 19h, apenas uns 5 conselheiros encontravam-se presentes, dentre eles o ex-presidente Judas Tadeu Gurgel, a professora Maria Pia e um ex-diretor de sua gestão Anecildo Batista. Imaginei que a reunião teria muitos pontos polêmicos, porém seria tranquila dada a expectativa de presentes.

 Mas a reunião demorou pra começar, apenas por volta das 20 horas, porém ela teve a participação de 3 ex-presidentes: além de JT, Leonardo Arruda e Paiva Torres se fizeram presentes.

Pois bem, a primeira polêmica foi justamente a ausência do parecer do Conselho Fiscal sobre as contas do clube. Na minha visão um absurdo grotesco, uma negligência passível de destituição de todos os membros do referido conselho. Porém isso não foi colocado em pauta, apesar de Gláucio Uchoa ter relatado que a Lei Pelé determinava que, em caso de tal falha a sanção seria justamente a destituição. Foi colocado em votação uma proposta de consenso, apresentada por Cláudio Porpino, de que o parecer fosse apresentado dentro de 45 dias. Fui o único voto contrário, pois na minha opinião o Conselho Fiscal deveria ser destituído, seria convocado seus suplentes e estes se encarregariam de fazer um parecer para apresentar dentro desse prazo proposto por Porpino.

Depois disso, e diante de alguns tumultos, pensei seriamente em apresentar minha renúncia, mas resolvi pensar melhor.

Ainda houve tempo para fazer uma intervenção na proposta de Idamylton Garcia, que reivindicava o retorno da velha divisão de torcidas do Frasqueirão, ou seja, com a torcida visitante regressando ao Módulo 1. Na minha intervenção, questionei o fato da PM mandar demais dentro do nosso estádio, chegando-se ao cúmulo de perdermos o Módulo 3 inteiro para 15 torcedores do Baraúnas e das atitudes abusivas em impedir a Frasqueira de deixar o estádio quando bem entender. Foi sempre sombra de dúvidas o momento mais positivo da reunião, em que foi unânime a indignação dos Conselheiros com a situação imposta no estádio. E por mais que alguns demonstrassem querer empurrar tais problemas com a barriga, ficou nítido o desejo imediato da retomada do status quo ante.  

Depois disso deixei as dependências do clube e não presenciei os fatos lamentáveis que se sucederam.

E ainda estou avaliando se continuo ou não no Conselho, principalmente porque a mensalidade que desembolso seria um reforço essencial para meu orçamento doméstico. Além disso, esses jogos agendados em dias e horários ridículos - com a complacência canina da diretoria, que nada faz em favor do seu torcedor - tem me afastado não só do Frasqueirão, mas do próprio dia a dia do clube.

Um comentário:

FERNANDO disse...

Gustavo realmente voce não esta em boa fase! Para que voce inventou de ser conselheiro? so agora voce descobriu que não pode pagar sua mensalidade? Na primeira dificuldade o cara ja desiste! Essa é prova cabal da dificuldade de se fazer futebol aqui em Natal. Não estou aqui para defender a diretoria do ABC,pelo contrario, para min o maior culpado de tudo isso que vem acontecendo com o ABC é justamente Rubens. O que eu quero dizer é que eu sinto pelo ABC não depende de quem esta no comando ou em que situação ele se encontra. Sinto uma inveja danada da torcida do santa cruz de Recife, esse sim tem torcida. Ja pensou se voce fosse torcedor desse time? Ja teria pulado da ponte.