sábado, 8 de junho de 2013

O que falta ao ABC é ser o ABC. Só isso.

Confesso que não fiquei minimamente chateado com o vexame sofrido pelo ABC ontem a noite.

A indiferença tomou conta de mim.

Aliás, desde a Série B 2011, mais precisamente após o 2º retorno de Leandro Campos ao comando do clube, a minha motivação em apoiar incondicionalmente e fanaticamente o ABC diminuiu sensivelmente. 

Achava que era a idade e a maturidade, achava que era a falta de tempo mesmo - afinal entre 2011 e 2012 passei a trabalhar a noite, o que me impedia de ver aos jogos da Série B - mas esse ano , mesmo tendo voltar a trabalhar no turno diurno, percebi que minha motivação, meu ânimo em acompanhar o clube, não é mais o mesmo. E tal desmotivação surge justamente num momento, olha que ironia, em que me tornei Conselheiro do clube, onde, em tese, minha voz teria alguma relevância. Porém, não foi o que percebi nas 2 reuniões que compareci. Percebi que o Conselho se transforma num mero apêndice da diretoria de plantão.

Os conselheiros não têm voz, não há qualquer espaço para contestações ou exposição de pensamentos e propostas.

A sensação que tenho é que falta o ABC voltar a ser o ABC. A Frasqueira, se sentido escanteada e fora de todo o processo de formação do clube, o abandonou a própria sorte. Está espalhada pelos bares da cidade, assistindo o jogo sem ter tanto aborrecimento, bebendo sua cerveja, comendo seu petisco e desembolsando bem menos do que desembolsaria se resolvesse se deslocar ao distante Frasqueirão.

A diretoria demonstra total falta de comprometimento com essa mesma Frasqueira. Mantém os custos do Frasqueirão caro (tanto o ingresso como a alimentação dentro do estádio) e sem qualquer atrativo, não fortaleceu o programa Sócio-Torcedor, que tem seu sucesso totalment50e dependente dos resultados do time, tirando-lhe portanto qualquer possibilidade de autosustentabilidade, dificulta a vida do associado e de quebra não respeita a torcida que vai ao campo, permitindo que a PM nos faça de gato e sapato a ponto de impedir que a Frasqueira assista o jogo no Módulo 3.

Nos bastidores a diretoria também não defende os interesses da instituição e da Frasqueira. Como é que ela aceita bovinamente que os 2 primeiros jogos do Frasqueirão sejam marcados para o péssimo horário das 21h50? Desse jeito, é impossível termos públicos decentes. Isso porque o Estadual-2013 já foi aquele abuso da FNF praticamente proibir o Frasqueirão de abrir aos domingos, pois a maioria dos jogos do ABC eram nas quartas-feiras.

Não bastasse isso, temos no futebol profissional uma situação de caos total. Contratações totalmente sem qualquer critério, empresários desmandando no clube, abandono e descaso com as categorias de base, menosprezo a jogadores nascidos no RN, falta de reforços que realmente façam a diferença. 

Sei que não existe uma receita absoluta do sucesso no futebol, mas para o clube com uma estrutura modesta como a do ABC (abro um parênteses: sim o ABC ainda não é um clube moderno, como querem pintar.

Muito pelo contrário, mesmo com uma estrutura física e patrimonial recém montada, pelas últimas gestões o ABC está muito mais para um clube decadente como  o Guarani ou Clube do Remo do que propriamente para um Sport Recife. Fecha parênteses) não pode fazer gastos tão irresponsáveis. 

Deveria se limitar a fazer um feijão com arroz, apostar em atletas da base, mesclá-los com jogadores que se destacaram no futebol do RN ou, com muita boa vontade da região Nordeste, e trazer realmente 3 ou 4 atletas experientes e diferenciados para liderar e dar competitividade ao time. 

Foi desse jeito que se formaram os times de 2007 e 2010. Foi com essa mescla que se forjaram os grandes times da história do ABC. 

Mas, o que vemos desde 2011? Um ABC formado por atletas que não tem qualquer identificação ou afinidade com as cores do clube e a paixão da Frasqueira. Atletas que não têm mais seus nomes cantados em verso e prosa pela torcida. Disputamos 2 Estaduais sem atletas formados nas categorias de base, e a diretoria desprezou completamente os atletas revelados nos clubes do interior do RN. E de quebra, o ABC ainda se desfaz de jogadores diferenciados ou importantes como Júnior Xuxa e Hamilton.

Enfim, é um ABC sem qualquer cara de ABC, que não desperta comoção.

Segunda-feira vou sem muita empolgação para mais uma reunião do CD. Certamente a diretoria vai querer tomar maior parte do tempo para enrolar os incautos com planilhas e prestações de contas que certamente serão aprovadas muito mais pelo cansaço do que por qualquer outra coisa. Vou tentar pedir a palavra e clamar pelo direito a voz dos conselheiros. Se não tiver sucesso, vou avaliar se vale a pena continuar sendo sócio e conselheiro do ABC, ainda mais tendo a sensação de que a contribuição mensal, ao invés de ajudar o clube, está indo para o ralo com tantos maus investimentos e revezes na justiça do trabalho.

Gustavo Lucena

Um comentário:

Luciano disse...

Concordo com tudo que vc disse Gustavo!
O problema maior é que nao vejo nenhuma luz no fim do túnel....