segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Potiguar Chevrolet 2013 prometeu demais

Com a proximidade do início de mais um estadual, a imprensa local fez previsões que podem, ser agora, consideradas catastróficas. O sucesso da competição previsto por alguns não se verificou nas arquibancadas. Os blogueiros que afirmaram que o “Potiguar 2013 promete” viram os estádios vazios na largada de mais um competição local.

Na primeira rodada tivemos uma média de 722,25 pagantes/jogo. Foram 2.889 pagantes em quatro jogos da competição. Só para se ter um idéia, no nosso vizinho Ceará a média de público do estadual desse ano é de 1.127 pagantes/jogo.

Parece que o Potiguar 2013 promete mesmo são estádios vazios.

2 comentários:

Múrcio disse...

Diego, sobre seu comentário deixado no RESENHA MAIS QUERIDO, pois não sei se você voltou lá:



Claro, que para o torcedor que não vai poder ir ao estádio naquele jogo, é sempre bom a transmissão do mesmo.

Mas, o que eu disse é que não adianta a federação vender os direitos de transmissão por uma miséria, pois os clubes que investem (ABC e América) não se interessarão pelo que vão receber, se é que vão receber alguma coisa.

O América já deu o seu grito e o ABC pelo que dizem vai fazer o mesmo. Não tiro a razão dos clubes, pois são eles quem fazem a festa. A federação só organiza e muito mal.

A classe empresarial de uma forma geral, inclusive a TV deveria investir mais no futebol.

Diego Ivan disse...

Concordo com você quando disse que o futebol local deveria ser mais valorizado. Mas não vejo como uma desvalorização a FNF vender os direitos de transmissão para a União por um valor baixo, já que mesmo por um baixo valor ninguém se habilita. Pior seria não ter nenhuma transmissão dos jogos. É nesse ponto que discordo com você.


O grito do América deveria ser com a TV Potengi, que já foi de um ex-Presidente do América, da TV Tropical, que pertence a um Americano, ou na Inter TV, que pertenceu a uma família americana.


Apesar da qualidade da União, todo mundo tem que dar graças a Deus, já que as ditas "profissionais" jamais se habilitaram a transmitir futebol.