terça-feira, 6 de abril de 2010

Crise na Espanha (1991)

Depois de anos de abundância, o futebol espanhol volta à dura realidade. A Associação de Futebolistas Espanhóis convocou nesta segunda-feira uma greve diante da constatação de que 200 atletas da primeira e segunda divisões do país estão sem receber salários ou com pagamentos atrasados. Os clubes teriam dívidas de milhões de euros e alguns já decretaram concordata. Apesar da decisão, os jogadores decidiram que a greve não ocorreria na próxima rodada, que terá o esperado enfrentamento entre Real Madrid e Barcelona, líderes do Espanhol A greve está marcada para os dias 17 e 18 de abril.

Essa seria a terceira vez na história que o futebol espanhol pararia. Pelos cálculos da entidade, 85% dos salários do futebol espanhol estão já sendo pagos com atraso. Em 1979, os jogadores entraram em greve por direitos trabalhistas. Em 1984, outra greve, desta vez apelando por mudanças na relação entre clubes e jogadores. Desta vez, o motivo é a crise financeira que assola muitos clubes. Um levantamento feito pela Uefa indicou há poucas semanas que mais de 50% dos clubes europeus estão endividados e que 20% deles estão em situação crítica. Os jogadores querem que a Liga de Futebol Profissional (LFP), que organiza os campeonatos nacionais, dê uma solução para clubes em crise.

Se no rico futebol espanhol a coisa tá assim, vocês imaginem no restante da Europa. O futebol hoje não comporta mais salários altíssimos pagos a boleiros e treinadores.

Por isto que é importante saber montar um time competitivo, pois os custos finais podem cair e se tornar plenamente suportáveis, da mesma forma as federações de futebol devem manter competições que atraiam o torcedor e patrocinadores.

Sou defensor do fim dos estaduais, e da re-criação dos campeonatos regionais em seu lugar. Alguns dirão que com isto 70% dos clubes de futebol dos estados vão sumir. E é isto que espero. Não existe torcida e patrocínio para manter um Alecrim, Potyguar CN; Assu e etc...

Têm que ter atrativo.

Três ou quatro times por estado são mais que suficientes.

Pelo menos é o que penso.

papoalvinegro@gmail.com

6 comentários:

Gustavo Lucena disse...

Black Ace, a bolha estourou.

Ultravalorizaram o futebol de forma que gerou um absurdo de um jogador qualquer receber o mesmo salário de uma folha de pagamento de um time inteiro.

O salário de Kaká/Cristiano Ronaldo, por ex. deve ser equivalente a folha inteira de um clube mediano da própria Liga Espanhola.

É preciso haver no futebol europeu uma revisão radical na política salarial dos clubes, principalmente porque lá as leis são duras e os clubes inadimplentes vão a falência e para ressurgirem têm que começar tudo do zero.

Quanto ao fim dos Estaduais, sou contra, acho que eles deveriam ser deslocados para o 2º semestre, sendo disputados no meio da semana em bem menos datas. Poderiam até assumir um caráter de mero torneio seletivo para a Copa do Brasil, ou até mesmo funcionar como uma espécie de fase preambular desta competição.

No entanto, sou favorável a limitação do n. º de clubes profissionais em todo o Brasil. Acho que o futebol brasileiro deveria comportar no máximo uns 360 clubes distribuídos nas 4 divisões da seguinte forma:

Série A = 20 clubes
Série B = 20 clubes
Série C = 32 clubes
Série D = 288 clubes

Acho que o RN só comporta no máximo 8 clubes profissionais.

E também sou favorável a desprofissionalização formal de alguns clubes daqui como ASSU, Atl. Potengi, Macau, etc.

Os 8 clubes profissionais do RN seriam justamente aqueles que levam a sério as competições nacionais: ABC, América, Potiguar-M, Baraúnas, Coríntians, Alecrim, Potyguar-CN e Santa Cruz.

Com esses clubes daria pra fazer um Estadual enxuto, com apenas 10 datas (caso seja dividido em 2 grupos de 4, seguido de semi-finais e finais) ou no máximo 16 datas (em caso de grupo único, onde o sistema seria de pontos corridos e haveria uma final de 2 jogos).

Para calar a boca dos times excluídos do bolo dos 360, a CBF e as Federações Estaduais organizariam um Torneio Nacional para clubes amadores e sazonais.

Esse assunto rende que é uma beleza, quando tiver inspiração pretendo falar sobre a reforma do calendário do futebol brasileiro.

Gibson Azevedo disse...

Meu caro Black, agora o jeito é eu apelar: Negão!, sem essa de terrorismo com o meu Alecrim. Bote esta sua metralhadora apontando para o outro lado. Nada para o lado de cá, para o meu verdão, Ora!...

MÚSICA F. C. ! A VOZ DAS ARQUIBANCADAS. disse...

O estadual deve existir, mas com um número de clubes menor e com datas diferencidas.

É no ESTADUAL que os garotos aparecem.

Souza apareceu na DESPORTIVA de IPANGUAÇU.

Diego Ivan disse...

Amigo, não dou 10 anos para que os Estaduais acabem de vez, ou pelo menos se tornem realmente insignificantes.

Não que eu queira que isso aconteça, mas o detalhe é que da ultima vez que tentaram acabar com os Estaduais ele ressucitaram o Rio-SP, no bojo vieram o Sul-Minas, COpa do Nordeste e outros menos valorizados.

Alguma semelhança com esse momento? Acho que sim. Reclamações sobre o inchaço do regionais, falta que qualidade técnica nos principais, SP e Rio.

Amigos, só não está acabando por um fio, o primeiro clube grande que chiar a turma fecha para balanço mesmo. Já que os grandes cumprem a função de trem pagador neste torneios.

Abraço!!!

Black Ace disse...

Amigo Gibson, entendo a sua posição com relação ao seu Alecrim, mas a verdade é essa. Não dá pra manter um clube de futebol em competições importantes, com uma média de público inferior a 10 mil pagantes (e ainda contando com patrocinadores). Abaixo disso tem que ter patrocinios muito, mas muito fortes para suprir a falta de recursos. O problema é achar patrocinador para times de pouca torcida, que infelizmente é o caso do Alecrim e da maioria dos times do interior do Brasil.
Abraços e não fique com raiva.

Alex Medeiros disse...

Não sou a favor do fim dos estaduais, mas sou a favor da volta dos campeonatos regionais e os estaduais serviriam como divisão de acesso aos campeonatos regionais. Vou plagiar o Gustavo Lucena e quando tiver um tempinho vou "brincar" de fazer um calendário para o futebol nacional, bem como uma proposta para os estaduais, os regionais e como seriam o acesso e o descenso entre eles.

Abraços a todos do BPA