terça-feira, 2 de março de 2010

Rapidinhas (02/03/2010)

Terminou a Era Didi Duarte. Mas será que ela chegou a começar?

Salvo algo sobrenatural, Didi Duarte deverá ser demitido na manhã de hoje.

Aliás, na prática a filosofia de trabalho de Didi Duarte nunca chegou a ser aplicada nesta última passagem.

É sabido que ele sempre foi um entusiasta das categorias de base e esperava-se que muitos pratas-da-casa ganhassem vez no ABC.

Não foi o que aconteceu, pois nomes como Sorato Gabriel e Vladimir foram emprestados, Paulinho e Delano foram relegados a terceiro plano. Wellington e Edson estão tendo chances para mostrarem serviço e João Paulo foi o único que garantiu a titularidade na onzena.

E para o lugar deles vieram atletas de qualidade pior. Ou alguém acredita que Sorato é pior do que David, Bileu, Pedrinho e Clebertong? O mesmo vale para o comparativo entre Wellington e Yamada, Édson e Tiago Garça, Gabriel e Nino, etc.

Em suma, Didi Duarte além de não ter peças qualificadas, teve a sua filosofia de trabalho de valorizar atletas da casa podada.

Crônica esportiva: 2 pesos 2 medidas

Dentro de campo, a política de contratações é totalmente semelhante a que foi adotada nos últimos anos da Era Judas Tadeu, ou seja, contrata-se atletas de qualidade duvidosa.

No entanto, o que a gente ver é a imprensa silente. Alguns críticos ferozes do ex-presidente inclusive defendem que o atual time do ABC é bom. Dói quando rio.

Fica a impressão de que na verdade existem 2 pesos e 2 medidas.

E olha que quem está constatando isso é um blogueiro que foi um crítico contumaz da gestão Judas Tadeu.

É lobby pra todo o lado

E a crônica esportiva, deliciando-se do cadáver de Didi Duarte, começa a fazer lobby por determinados treinadores.

Uns querem trazer treinadores do RN, outros querem que o ABC contrate aqueles picaretas vindos do interior paulista (Luís Carlos Cruz, Rui Scarpino, Vanderlei Paiva, Roberto Fonseca, Arnaldo Lira, etc.) que certamente atenderão os desejos do empresariado que quer ver os seus atletas vestindo a camisa do Mais Querido.

Ou seja, se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

O que falta ao time do ABC

Atletas que se identifiquem com a causa do Mais Querido e que sejam verdadeiros guerreiros, dando o sangue pelo clube.

Atletas que busquem ter empatia com a torcida.

Um capitão para liderar e impulsionar o time dentro de campo.

Jogadores mais qualificados.

Gustavo Lucena

papoalvinegro@gmail.com

2 comentários:

Anônimo disse...

O ABC ESTA INDO RUMO A SERIE "D",DO JEITO QUE ESTA É ISSO QUE VAI ACONTECER.


FORA FLAVIO ANSELMO,FORA RUI BARBOSA,E NUNCA PENSEI QUE FOSSE DIZER ISSO VOLTA JUDAS!!!!!!!!

Alexandre Costa disse...

Acho que a era Didi Duarte nem começou. Lembro de ter assistido a treinos do ABC na série B do ano passado já com Didi como treinador. O ABC já tava rebaixado mas ainda tinha umas partidas para jogar. Em 2 treinos que eu vi Didi mandava a bola rodar o campo ou posicionava um ou outro jogador e nada disso era feito. Pensei comigo: "Esses caras não tão nem ai pra Didi. Deve ser pq já tão rebaixados mesmo. No prox ano não vai ser assim. Grupo novo, nomes novos, e Didi vai ser bem ouvido pelos jogadores".
Será que aconteceu a mesma coisa?