sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Uma dura realidade

Antes de entrar no tema do tópico, gostaria de desejar um 2010 de total sucesso para os demais blogueiros e os leitores e seguidores das resenhas escritas pelo BPA. E que para o ABC, espero que 2010 seja igual a 2007.

Começo a coluna falando sobre um tema que está deixando muitos ABCdistas com um pulgueiro atrás das orelhas.

Trata-se da política de contratações que vem sendo executada pela nova diretoria, onde os reforços são jogadores desconhecidos, alguns advindos de centros onde o futebol é praticamente inexistente como em MT.

E essas contratações já estão gerando munição para os eternos defensores da antiga gestão, dizendo que eles contratavam melhor.

O que essa gente não consegue perceber é que a realidade do ABC FC para 2010 é muito dura.

Além de terem herdado uma dívida de cerca de R$ 2,5 milhões, a diretoria pegou um ABC que só tem um deficitário Campeonato Estadual pela frente.

Portanto, não há qualquer condição logística para serem efetuadas num primeiro momento contratações mais relevantes, então o momento é fazer apostas em jogadores baratos. Caso os mesmos venham a fracassar, provavelmente as suas multas rescisórias serão baixas e aí sim poderá se pensar em trazer atletas mais qualificados e renomados.

Além da dívida, outros fatores parecem estar influenciando nesta política austera.

Diferentemente de anos anteriores, o ABC não depende de uma boa campanha no Estadual para garantir o calendário no 2o semestre, pois já está classificado para disputar a Série C. A tendência é que não haja no Estadual aquele "estado de guerra" de 2007, quando cada jogo era vital para a sobrevivência do ABC no 2º semestre e que por isso todo jogo no Frasqueirão era casa cheia. Por isso os investimentos de impacto - como aconteceu em 2007, quando no Estadual foram contratados bons jogadores como Ben-Hur, Nildo e Bebeto - tendem a acontecer apenas na parte final da competição, na hora em que a onça for beber água.

Além disso, o ABC está alijado da disputa da Copa do Brasil, que é uma competição com enorme potencial para gerar receita, principalmente se o clube for muito longe e fizer um lobby político para pegar nas primeiras fases adversários mais fracos. Sem a Copa do Brasil não há aquela preocupação em investir forte.

O ABC também não disputará mais a Série B, competição que começa sempre logo após o Estadual. A Série C só começará no 2º semestre, portanto, haverá tempo hábil para se preparar bem para o Brasileiro, podendo inclusive contratar jogadores oriundos do 3º ou 4º escalão do futebol europeu, já que entre o Estadual e a Série C se abrirá a famosa janela das transferências.

Entendo eu que com esse time barato que vem sendo montado, a prioridade no 1º semestre seja assegurar uma vaguinha na Copa do Brasil. Se derem brecha para o ABC chegar para brigar pelo título, ótimo.

No entanto, diante dos tempos austeros que se avizinham, só resta ao ABC contar com a sua antiga e inesgotável fonte de energia que foi deixada de lado pela ex-diretoria em 2008 e 2009: a Frasqueira. É ela que poderá instigar esses ilustres desconhecidos a darem o máximo de si, em prol da causa do Mais Querido.

Gustavo Lucena

papoalvinegro@gmail.com

2 comentários:

Alexandre Costa disse...

Tambem acho que sao esses os motivos para contratações "desconhecidas".

Anônimo disse...

Caros colegas, o ABC sempre foi um time de muita raça, se voltar essa característica do alvinegro e um pouco de sorte que vem faltando ao nosso clube, vamos ganhar o campeonato de 2010. Portanto, temos que incentivar a grande torcida para lotar o Frasqueirão, desta forma, juntos ganhar o campeonato estadual e quem sabe ser o primeiro campeão brasileiro do estado. Pensem nisso!

Ass: Holanda