terça-feira, 8 de julho de 2014

A culpa é exclusiva dos dirigentes de CBF, Federações e Clubes - Simples Assim

E aí quando é que irão pedir a cabeça dos maganos da CBF, federações e clubes?

São eles os ÚNICOS responsáveis por isso que acabamos de ver. 

Jogadores NÃO têm culpa alguma de suas limitações técnicas e emocionais. Eles são vítimas dos desmandos da cartolagem brasileira, que trata o futebol brasileiro como lixo. Eles até foram longe demais, a seleção fez hora-extra após o jogo contra o Chile.

Luis Felipe Scolari é um treinador ultrapassado e levou um baile tático. Ele também não tem culpa de ter sido contratado pela CBF. Todo o mundo que vive o futebol sabia que em 2012 era um técnico decadente, em véspera de se aposentar. Mas o Sr. Marin, com um discurso ufanista e autoritário, o chamou e de quebra ainda menosprezou os treinadores estrangeiros - em especial o Pepe Guardiola, que era o nome preferido dos torcedores naquela época. Ironia do destino, os 7x1 produzido pelos alemães teve sim o dedo do espanhol.


A presidenta da República também não tem culpa. Afinal, a CBF sempre se gabou de ser a única entidade esportiva de não receber um centavo ou qualquer incentivo estatal. E se o governo fosse intervir com força no esporte e na CBF, apareceriam pessoas acusando o governo de autoritarismo. Agora que a seleção passa vexame, querem colocar a bomba no colo dela.

Agora os dirigentes não fazem um trabalho de base decente, não apenas formando jogadores de maior qualidade, mas de caráter forte também.

O futebol brasileiro tá muito ruim, os clubes estão muito pobres e não são capazes de produzir novos craques capazes de fazer a diferença. As federações são verdadeiras parasitas, não querem organizar competições. A FNF por exemplo, só organiza competições sazonais de tiro curto, deficitárias e ainda arrota modernização, sempre apoiada por um séquito de bajuladores midiáticos. E me desculpem meus irmãos alvinegros, mas o ABC reproduz sim todos os males que vemos na CBF/FNF. 

Já os dirigentes estão muito bem de vida, obrigado. E isso não é recente, vem desde que o futebol brasileiro passou a - teoricamente - ganhar contornos profissionais. O profissionalismo só serviu aos dirigentes, mas ao futebol brasileiro, a gente acabou de ver.

PS: Outra coisa que precisa mudar é a própria postura do brasileiro em si. A arrogância tupiniquim nos faz que sejamos torcedores das vitórias em qualquer esporte e não do time em si. Não torcemos pela seleção de futebol, volei, piloto de Fórmula 1, basquete, etc, mas apenas pela vitória deles. A disputa pelo 3º lugar deveria ser encarado como um pleito honroso. Em 2006 a Alemanha foi sede, sua seleção foi derrotada nas semi-finais, mesmo assim eles foram disputar o bronze, venceram e fizeram uma grande festa. O brasileiro precisa em competições e até mesmo na vida, aprender a competir e perder.

Gustavo Lucena

Nenhum comentário: