quarta-feira, 9 de março de 2011

TVs, Ricardão e C-13, sob a minha ótica

Acho engraçada essa discussão sobre CBF, Globo, Record, Ricardo Teixeira, Marcelo Campos, Pinto, Fábio Koff, Clube dos 13, presidentes de clubes e federações. Não vejo ninguém como mocinho nem como vilão, vejo que todos querem mesmo é puxar a sardinha pro seu braseiro.

Fiquei fora dessa discussão, apenas vendo a repercussão aqui no BPA, mas quero agora dar o meu recado.

A CBF não perdeu a razão de existir, nem o Clube dos 13 é a solução para nada. Os personagens desta história é que simplesmente jogam com o esporte como se manipulassem uma marionete.

A verdade é que o futebol Brasileiro é desorganizado em sua essência, e que se não fosse o talento dos brasileiros com a bola no pé, nós hoje estaríamos falando de Remo, Cricket, Rugby, ou algum outro esporte advindo da Inglaterra.

Querer atribuir a CBF ou ao Clube dos 13, a Globo ou a Record, responsabilidade pelo caos institucional em que o esporte chafurda é coisa de menino buchudo.

Se formos ao cerne da questão teríamos que avaliar, como se elege o Presidente da CBF? Como escreveu um anônimo nos comentários, são 16 federações nordestinas, ou seja, se 27 federações votam, a maioria está nestas bandas.

Quando se fala do monopólio da Globo não se está exagerando, é verdade. Várias foram as vezes em que outras emissoras, SBT, Bandeirante e Record, ofereceram muito mais que a Globo e o Clube dos 13, com o aval da CBF, assinou com a Globo.

O C-13 surgiu por que a CBF na década de 80 era uma instituição falida, tanto é assim que em 1987 permitiu que o C-13 promovesse o Campeonato Brasileiro. Quando a CBF, presidida a época por Otavio Pinto Guimarães, percebeu o lucro que a Série A daria, reverteu o processo de criação de uma Liga de Futebol. O primeiro clube a roer a corda foi o Vasco da Gama de um desconhecido Eurico Miranda. O resto a turma lembra.

Mudam os nomes, mas a mamata é a mesma.

A Rede Globo realmente tem nohall de transmissões esportivas, de qualidade internacional, mas construído muito em cima do monopólio da exclusividade e da revenda dos direitos de transmissão para as outras emissoras. Como já aconteceu com a Record e com a Band.

Sobre o eminente racha do Clube dos 13, só posso lamentar. Mesmo servindo apenas como balcão de negociatas durante sua existência, equipes de menor representatividade tinham uma fatia do quinhão negociado pelo C-13. Me preocupa muito, e tenho muita curiosidade de saber como equipes do porte do ABC, por exemplo, negociaria esses direitos de TV e internet? Não vejo como o Mais Querido possa arrancar, sozinho, uma fatia de mais de R$ 3 milhões jogando uma Série A como sempre aconteceu com equipes fora do Clube dos 13.

A verdade é que tirando os grandes de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, toda a mídia dita nacional, relegada ao segundo plano até mesmo os grandes do Nordeste. Como vender um produto sem visibilidade nacional?

Esse assunto é ultra complicado politicamente e chato, por que a solução é simples. Já está em funcionamento em outros países, só não se aplica aqui por que o Brasil é uma terra comandada por gente sem noção.

Particularmente não importa a emissora que compre os direitos de transmissão, a verdade é que do jeito que elas ocorrem na Globo, eu só posso torcer que outra TV vença a disputa. Jogos em horários esdrúxulos, somente após a permissão das Uga-Uga da vida, me levam a querer outra solução. Mesmo que essa solução venha da maior pouca vergonha que existe na nossa constituição. A lei da liberdade de credo(Não falo da religião, mas da não cobrança de impostos e tributos das doações feitas as igrejas ou seitas de qualquer tipo).

4 comentários:

Gustavo Lucena disse...

Discordo do Diego Ivan sob os seguintes argumentos:

1-Ricardo Teixeira é sim o grande vilão do futebol brasileiro. Suas atitudes nos levam a essa conclusão. Vou citar algumas: entrou na cbf pobre em 1989 e hj tem um patrimônio monstruoso; ao mesmo tempo os clubes encontram-se em estágio pré-falimentar; vem impedindo que os clubes tenham o controle sobre as competições nacionais de forma que estas sejam organizadas de maneira lucrativa; além de fuder com o futebol brasileiro, agora quer fuder com o próprio país, impedindo que o mesmo seja beneficiário com o eventual legado que 2014 poderia deixar (é aquela situação dos lucros do evento); vem agindo contra a criação de Ligas; costuma presentear autoridades públicas com passagens e camarotes de Copa do Mundo; etc.

2-Reitero a inutilidade da cbf sob os seguintes argumentos: a própria entidade, quando lhe convém, costuma negar que não tem qualquer responsabilidade pela promoção e organização das competições que ela mesmo nega em entregar para os clubes; As Séries B, C e D vem causando muito mais prejuízo aos clubes, seja com a entidade atravessando qualquer possibilidade dos clubes ganharem mais grana(no caso da Série B), seja elaborando fórmulas de disputa que levam os clubes a falência; o futebol feminino e o futebol de base são inexistentes.

3-Sobre as infinitas eleições de RT no comando da cbf, isso acontece porque a quase totalidade das federações é comandada por meros delegados do capo. Por isso não adianta querer começar mudando pela base, tem que atacar o topo da pirâmide, porque derrubando o capo, com certeza os presidentes das federações estaduais ficarão desnorteados e ficará mais fácil derrubá-los. No entanto, tem que haver uma ação coletiva por parte do MPF, que precisa atuar em ambas as frentes, seja na cbf, seja nas federações estaduais, mas necessariamente precisa começar pela cabeça.

Abraços.

Diego Ivan disse...

Rapa, você não entendeu o que eu escrevi...

A verdade é que o estatus quo é tão degenerado, que na minha opinião, algumas coisas não são simples de se resolver. E o Ricardão é fruto disso.

Cortar o cabeça é fácil, mas tal e qual uma medusa, outro assume seu lugar e mantem esse desmantelamento do futebol por estas bandas.

E repito, a CBF não é inútil, ela é mal comandada e a estrutura que a cerca é no minimo viciada. Por que se não for assim, a cada merda feita na Presidência da Republica, no Legislativo e no Judiciário, fecha-se tudo por que não cumpre seu papel. E advogado escreve cada coisa em peça processual.

Sobre as reeleições em Federações e na Confederação: Passou da hora de se enquadrar a CBF e toda e qualquer entidade privada e sindical no Brasil, de atuação de relevância social. A esfera legislativa tem que determinar alguns fatores que estão ao deus dará, tipo a duração de mandatos, o colégio eleitoral, a metodologia eleitoral e outros aspectos que me fogem a memoria. Por que o que vemos é o COB com Nuzman a quase 20 anos, CBF com Teixeira a mais de 20, sem falar em sindicatos e centrais sindicais.

Gustavão, não é tão simples não, e o vilão não age sozinho.

Abraço!!!

Black Ace disse...

Nenhum de nós acertou.

A ESPN noticiou: O Clube dos 13 anunciou nesta sexta-feira que a RedeTV é a vencedora da licitação dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro triênio 2012-2014 para a TV aberta. O valor mínimo para as emissoras concorrentes era de R$ 500 milhões, e a entidade enviou a carta-convite para Rede Globo, Rede Record, SBT, Bandeirantes e RedeTV.

A RedeTV pagará R$ 516 milhões por ano (R$ 1,548 bilhões pelo triênio) pela transmissão.

Diego Ivan disse...

É siim, mas não assina não. O presidente do botafogo deixou claro quais as pendencias.