sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

ABC “Um Clube sem memória”

Eu tenho 29 anos de vida, vários deles acompanhando o ABC. Nesses anos, percebi que a coisa mais difícil de conseguir sobre o Mais Querido são informações. Material sobre a história do ABC sejam fotos, marchinhas de carnaval, uniformes e principalmente documentos. 

Em 2015 o alvinegro irá entrar para o grupo de agremiações com mais de 100 anos. O problema é que pouquíssimo de sua história será revelado. 

A instituição ABC Futebol Clube não dispões de acervo. A verdade é que até hoje, pouquíssimas coisas são registradas oficialmente pelo Clube. 

Se não fosse o Arquivo Público do Estado, certamente os primórdios do nosso Clube estariam definitivamente perdidos. 

Culturalmente o Norte Rio-grandense não costuma reverenciar o seu passado. Eu me lembro que quando cursava o ensino médio, em uma grande instituição de ensino de Natal, as aulas de história do RN eram resumidas a 6 ou 7.

Passou da hora do ABC criar um acervo permanente de sua história. Tenho absoluta certeza que muito já foi perdido definitivamente, basta verificar o numero de troféus na sala de troféus. Acho que não chegam a vinte os do time profissional.

É o momento do Conselho Deliberativo, quem sabe, criar uma comissão. Tentar resgatar o ABC do campinho de Morro Branco, da antiga Sede Social de Petrópolis e da antiga Vila Olímpica. Certamente será necessária a contratação de um trabalho profissional, que vise resgatar, registrar e se preciso for reescrever a história do ABC Futebol Clube. Hoje, apenas alguns abnegados realizam esse trabalho.

A dura realidade é que pouco sabemos, e no ritmo que as coisas andam, ficaremos sem conhecer o verdadeiro ABC. Sem ter como resgatar os 100 anos de glórias do Mais Querido.

Nos próximos dias publicarei algumas imagens do passado, que consegui com meus familiares.

5 comentários:

Anônimo disse...

A diretoria do ABC não gosta de críticas, todos de lá só gostam de elogios.

É melhor você elogiar.

Diego Ivan disse...

Amigo assine a postagem...

Olha, eu não recebo um vale transporte da diretoria do ABC. Estou aqui, com o BPA, pra cobrar mesmo, para o ABC ser melhor do que já é. Se vc visita o BPA a mais tempo sabe que é assim que procedo.

Não me venha com chorumelas, continuarei falando do que deve ser dito...

Anônimo disse...

Diego,

Meu pai é ex-atleta de Futebol de Salão do ABC (não era Futsal ainda), e conselheiro. Ele possui algumas fotos e recortes de jornal dos anos 60. Esse tipo de material tende a desaparecer com os donos. Concordo com você, temos que lançar uma campanha para catalogar, digitalizar e disponibilizar para a torcida informações sobre o ABC. Vou sugerir isso para que ele fale com alguém da direção.

[]s,
Bruno.

Gustavo Lucena disse...

Acho que a diretoria tem que abrir um acervo de arquivos dentro do clube, uma mini-biblioteca ou mini-museu. Seria até um atrativo a mais para Frasqueira e mais um passo para transformar o ABC num clube social, em que o torcedor tem muito mais atrativos para além dos dias de jogos.

Tem que haver uma campanha massiva para resgatar e registrar a memória e a história do ABC FC.

Tenta levar isso p/ Bruno Giovanni no twitter, ou mesmo p/ Augusto Azevedo, que costuma levar pleitos desse tipo para as reuniões do Conselho.

MÚSICA F. C. ! A VOZ DAS ARQUIBANCADAS. disse...

Prezados amigos

1) Conversava com Diego Ivan no FRASQUEIRÃO, no curso do jogo ABC 4 x 0 ASSU, sobre este tema : MEMÓRIA do ABC.

2)Realmente, sem dúvida alguma, só um esforço conjunto é que vamos resgatar a nossa memória.

3) A venda da sede PETRÓPOLIS causou mais estragos do que o previsto, ou seja, até as TAÇAS do ABC ( ano a ano ) não existem mais.

4) A gestão anterior ainda construiu a sala de TROFÉUS e mandou recuperar algumas taças, mas o acervo documental ainda não foi resgatado.

5) A FRASQUEIRA tem que sair perguntando para cada ex-jogador, ex-dirigente, torcedor de todas as gerações, abnegados, ou seja, saber que tem ao menos uma foto, um recorte de jornal sobre o ABC Futebol Clube.

6) Convém lembrar - a título de OBSERVAÇÃO - que a foto voltará para o proprietário, ou seja, será feito um processo de digitalização da imagem ( via escaner ).

A sugestão está dada.

Até a próxima.

José Leonardo