terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Calendário de Competições do Futebol Brasileiro - Parte 5: A europeização das datas não é a solução

Uma das mudanças mais requisitadas por certos setores da imprensa é a de que o calendário do futebol brasileiro passe a seguir o calendário europeu, ou seja, o início da temporada acontecendo em julho e o término acontecendo em junho do ano seguinte. Ou seja, ao invés de termos uma temporada cumprida em apenas 1 ano (2011, 2012, 2013...), cada temporada usaria 1 semestre de cada ano (2011-2012, 2012-2013, 2013-2014...).

O argumento principal é de que com isso evitar-se-ia que os clubes brasileiros perdessem atletas para a Europa na metade da temporada, comprometendo e desfalcando as equipes em pleno Campeonato Brasileiro.

Não vejo como a medida mais adequada, aliás, considero que pelo menos nesse aspecto, o calendário brasileiro é muito melhor e mais linear que o europeu.

Existem vários argumentos consistentes que não autorizam tal modificação:

1º) A questão das estações do ano. Muito embora não seja o mais importante, é sempre desagradável jogar no verão, época de maior desgaste físico, mesmo em horários mais brandos. O futebol europeu descansa no período em que são mais elevadas as temperaturas, no Brasil se daria o contrário. Os campeonatos estariam em andamento quando o calor é mais forte, meses de dezembro, janeiro e fevereiro, as férias escolares estariam em pleno desenvolvimento e o torcedor brasileiro voltado, inteiramente, para viagens e descanso. Ou seja, além da temperatura, o público nos estádios estariam aindam mais diminutos.

2º) Mesmo entre dezembro e fevereiro, abre-se uma janela de transferências na Europa e o êxodo para aquele continente continuará a acontecer.

3º) A questão dos próprios patrocinadores que, pelo menos em se tratando de Brasil, costumam seguir o calendário normal no que tange as negociações.

4º) A própria tradição do futebol brasileiro. Uma competição começando num ano e terminando no ano seguinte é exceção decorrente de fatores alheios ao planejamento original. Seria bastante difícil para o torcedor e a própria imprensa se adaptar a nova realidade. E convenhamos, é algo rocambolesco - pelo menos para mim - pronunciar "o ABC foi campeão Estadual na temporada 2010-2011".

5º) O centro do problema não está no calendário, mas sim na pobreza dos clubes em segurar os seus principais jogadores.

Mesmo diante de tais argumentos desfavoráveis, é possível fazer uma adaptação parcial ao calendário europeu sem precisar adotar o calendário "bienal". Nesse caso, o calendário seria organizado normalmente, seguindo inclusive as datas européias. Porém, haveria um recesso de 1 mês entre junho/julho.

Essa pausa serviria para:

1º) Os clubes brasileiros mais ricos excurcionarem pelo mundo afora, prática comum até os Anos 90.

2º) Com a janela de transferências da Europa aberta, essa pausa serviria para proteger os clubes de sofrerem desfalques com o campeonato em pleno andamento. Com isso eles poderiam se reforçar de maneira mais tranquila e até reentrosar o time com os novos reforços.

3º) Como nesse período ocorrem as competições de seleções (Copa do Mundo, Copa América, etc.), os clubes poderiam ceder seus atletas para a seleção sem implicar em desfalques.

Enfim, acho até que quem deveria mudar o calendário é a própria Europa, posição aliás defendida por muitos maganos do futebol de lá.

Gustavo Lucena

2 comentários:

Anônimo disse...

O Platini já acena com a possibilidade de alterar o calendário europeu para começar e terminar no mesmo ano. Segundo ele, a maioria das federações europeias já faz assim devido ao frio intenso no inverno. O problema é convencer as maiores federações, como a inglesa, italiana, espanhola, alemã e francesa, a mudarem. Já estão falando, inclusive, em jogar a copa do Catar em janeiro, por causa do calor.

Ia ser hilário se nós mudássemos o nosso calendário, e logo após, as federações europeias mudassem os delas.

Bruno.

Anônimo disse...

BOMBA!!!!!!

O merrequinha está "garimpando" estádios para mandar os jogos depois da derrubada do machadão, e pode mandar jogos em Santa Cruz, Goianinha, Elói de Souza e nos povoados de Massaranduba, Traíras, Carvoeiros e Defuntos.

Corre a boca pequena que irá solicitar a mudança de nome para ZONA DA MATA FC, como forma de homenagear os povos que os acolherão de braços abertos durante esta aventura Cigana.

Clovis Emilho