segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Alguém tem duvida qual é o lado negro da força?

Tudo bem que nem sempre o lado negro da força é o lado ruim de qualquer coisa, mas certamente nesse caso o lado negro é ruim.

A TV Globo esperou até que os críticos do mata-mata se calassem, e agora planeja acabar com os pontos corridos e dar inicio a involução do Futebol Brasileiro.

Já está nas mãos dos clubes, leia-se Clube dos 13, a “nova” formula de disputa do Campeonato Brasileiro e depende dos “Clubes” aceitar ou não a proposta.

A proposta é restituir os mesmos modelos de disputas utilizados até 2002, turno único e decisão nos mata-matas. Seriam distribuídas vagas para a Libertadores aos dois colocados da fase de classificação e ao campeão e o vice do mata-mata. Tentando assim tornar esse modelo mais justo, mas será que assim a arbitragem deixará de decidir o Campeão Brasileiro? Como aconteceu em 1995 quando o Botafogo levou a taça, após o Arbitro Márcio Resende de Freitas acabar com as chances do Santos anulando gols e validando gols irregulares.

Está claro que a intenção da emissora é ter de volta as quatro ou cinco grandes audiências dos jogos finais da competição, o que tradicionalmente acontecia, ao contrario do que é estabelecido hoje. O publico da TV nos pontos corridos não chega aos níveis dos mata-matas, mas o que a emissora não percebe é que essa mesma audiência é distribuída em 38 rodadas, mesmo que não ocorram os picos de audiência.

Outro fator que chama a minha atenção é a resistência da TV em aceitar a inversão do calendário futebolístico, com o retorno do antigo modelo o Brasileirão retornaria aos 5 meses de disputa e assim não haveria conflitos com a janela de transferências da Europa.

A CBF por sua vez, “não sabo, não sabo”, se faz de doida e como sempre espera o circo pegar fogo.

O fato é que os pontos corridos acabaram com o “jeitinho” no futebol, não dá para fazer o esporte sem planejamento. Coisa que muitos clubes tradicionais ainda não praticaram desde 2003, primeiro ano do atual modelo. Tanto é assim que clubes como Palmeiras, Botafogo, Grêmio, Atlético Mineiro, Corinthians e Vasco, já sentiram o gostinho da Serie B, e olhe que o Fluminense e Botafogo estão querendo mais.

É hora de gente seria tomar a frente dessa negociação e moralizar esse rendavouz.

Photobucket

7 comentários:

Gustavo Lucena disse...

É um tema impactante, por isso vou deixar minha opinião, que será praticamente uma coluna

1-Ao invés de mexer nas Séries A e B, que já estão consolidadas, a CBF deveria sim era aperfeiçoar as Séries C e D.

A Série C não pode mais ter essa fórmula ridícula em que com 10 jogos já estavam definidos os times que subiram para a Série B 2010. Se não dar para organizar no sistema de pontos corridos em todos-contra-todos, que pelo menos faça uma 1a fase de 2 grupos com 10 clubes cada (isso já proporcionaria 18 jogos) seguido de um octogonal final com os 4 melhores clubes de cada grupo(nessa fase já teríamos 14 jogos). Feito isso, a Série C já ocuparia 32 datas.

E a Série D então nem se fala, mostrou ser um fracasso de logística e teve um regulamento ridículo. Por ser a última divisão, acho que deveria ser uma competição bem mais ampla, com mais de 300 clubes disputando-a. Obviamente a competição seria extremamente regionalizada, podendo até mesmo a 4a divisão ser dividido, digamos, em 6 grandes blocos regionais, cujos vencedores garantiriam vaga na Série C.

2-Essa mudança me cheira a 2 coisas: a) 1o) diminuir o n. de clubes no fluxo de acesso/descenso. Há um desejo de que só subam/desçam 2 clubes ao invés de 4. Essa bola vem sendo cantada desde 2007; b) Fugir das janelas de transferência do futebol europeu e ao mesmo tempo preservar o calendário brasileiro no modelo solar. Com o Campeonato brasileiro enxugado, daria pra fazer um período de férias ao final dos Estaduais em maio e o início do Brasileiro em julho/agosto.

3-Sou contra a adoção do modelo bienal, ou seja o campeonato começar num ano e terminar no outro. Fica bem confuso. O ideal é simplesmente realizar o 1o turno do Brasileiro no 1o semestre e o 2o turno no 2o semestre. A diferença seria justamente no período das férias, que seria no meio do ano, exatamente para evitar que os clubes sofram com os desfalques causados pela janela de transferência.

Diego Ivan disse...

Sobre o 3° ponto, continuaria a mesma coisa, apenas que os estaduais começariam no final de agosto(ao invés de janeiro), e terminariam no inicio de outubro(ao invés do final de março). O Brasileiro começaria em Outubro e terminaria no final de junho. Simple assim, 3 meses pro estadual 7 pro brasileiro e 2 meses de lambujá.

Abraço

Abecedista disse...

Amigos, a Globo vem tentando voltar com o mata-mata tem tempo, mas Ricardo Teixeira e Virgilio Elísio já se pronunciaram contra a mudança.

Os grandes queriam acabar (diminuir) com os 4 rebaixados, sendo que Virgílio Elísio, em programa do Sportv, o Arena, disse que não mexeria neste ponto.

Outra coisa, no mesmo Arena, quando Ricardão foi entrevistado em Salvador, na véspera do jogo contra o Chile, ele disse que seria praticamente impossível mudar adequar o calendário brasileiro ao europeu, pois não teria cabimento um jogo do brasileirão ser disputado no Carnaval. Ele disse ainda que a mudança do calendário não diminuiria as transferências nas janelas, uma vez que não é só a Europa que carrega jogadores do Brasil.

Futebol Árabe e o Russo (o calendário da Russa é igual ao nosso) também roubam jogadores do Brasil.

...

Meu ponto de vista sobre o calendário do futebol brasileiro é o seguinte:

1) Começo em fevereiro e término em novembro/dezembro.

2) Série A, B e C disputadas em pontos corridos, durante todo o ano.

3) Disputa simultânea da taça libertadores com a sul-americana, nos moldes do ocorre com a Europa. Sendo que a fase de grupos seria disputada no primeiro semestre e a fase de mata-mata seria disputada no segundo semestre.

3) Copa do Brasil disputada ao longo de todo a temporada, assim como se dá nos países europeus, com a participação dos clubes que disputam a libertadores e a sul-americana, inclusive.

4) Volta dos torneios regionais, que seriam disputados ao longo de toda a temporada, nos mesmos moldes da libertadores e da sul-americana - fase de grupos no 1º semestre e fase de mata-mata no segundo semestre. Obviamente que não participariam dos torneios regionais as equipes disputantes dos torneios continentais.

5) Estaduais. Os Estaduais seriam disputados durante toda a temporada, sendo que as equipes participantes de alguma competição integrante de alguma competição nacional - Brasileiro das Série A, B, C e D (talvez a D) apenas entrariam em alguma fase final do Estadual.

Exemplificando, neste momento, no RN, estão sendo disputados vários torneios semi-profissionais, como a Copa Oeste, a Liga de Caicó, entre outros torneios, além da 2ª divisão.

O campeonato Estadual, na verdade, deveria estar sendo disputado neste exato momento, em todas as regiões do Estado, com a ausência, obviamente, de ABC FC, Alecrim e América.

6) Série D. A ideia de Gustavo parece ser boa, além de que poderia haver uma conexão entre Estaduais e Série D.

É isto.

Modéstia à parte, não vejo arcabouço melhor para o Calendário Brasileiro do que o proposto nas linhas acimas.

Sds Alvinegras.

Abecedista.

Gustavo Lucena disse...

Essa do Brasileiro não ser disputado no carnaval é conversa pra boi dormir, pois no sábado de carnaval e mesmo na quarta-feira de cinzas sempre tem jogos do Estadual.

E num calendário inchado como o nosso, cada data é importante, isso soa como uma demagogia.

O presidente da cbf pensa que nós torcedores somos idiotizados pela Globo.

Acho que o ideal é manter o calendário do jeito que está, começando em janeiro e terminando em dezembro. No meio do ano haveriam as férias coletivas, justamente para dar maior atenção as competições de seleções (Copa América, Eliminatórias e Copa do Mundo). Haveria também espaço para os clubes que quiserem, excursionar em torneios caça-níqueis. No fim do ano e na primeira semana de janeiro haveria o recesso natalino.

Rodrigo disse...

Isto aí é para ver se o futebol falido do Rio de Janeiro volta a ganhar alguma coisa.Nos moldes atuais, vai demorar muito para um clube carioca voltar a ser campeão, os paulistas continuarão dominando e, uma vez ou outra, um gaúcho ou um mineiro dará uma beliscadinha. Voltando o mata-mata, além de aumentar a audiência na reta final, aumenta a possibilidade dos Flamengos da vida serem campeões, mesmo que ele fique muitos pontos atrás do verdadeiro primeiro colocado. É o famoso dindin dominando tudo.

Gustavo Lucena disse...

Analisando os regulamentos tanto da Série A como da Série B, a gente verifica que o mata-mata não foi totalmente extinto.

Há uma possibilidade remota de haver um confronto final entre os 2 primeiros colocados em caso de empate absoluto em todos os critérios.

O mata-mata também é possível para definir o 16o colocado.

Gibson Azevedo disse...

O que tem que acabar no nosso Futebol, de uma maneira geral, é esta ingerência na vida deste esporte pela televisão, que nada mais é que uma conseção do Governo a alguns apaniguados deste Poder, que deveria ser do povo e em nome dele ser exercido. Esta estória de empresário da imprensa se travestir de déspota e em tudo meter o bedelho, devia ser passível de surra, para não dizer coisa pior. Essas "aberrações", achando pouco suas macaquices, determinaram, como se assim pudessem fazer, que boa parte dos jogos noturnos sejam executados em horário que beira às 22 horas. Isto, no nosso País, onde a segurança pública é uma piada. O cidadão tem que ir ao Estádio, quase varando a madrugada, porque um desmunhecado qualquer, colocou um programa de nulidades mil, em um horário mais cedo. Pois bem !,já que estas porcarias de programas, que são na sua maioria gravados, nada mais natural que colocá-los no ar depois da meia-noite (seria menos nocivo à sociedade, já que poucas pessoas os assisteriam). O que não pode se dá por bem feito é uma arte nobre e vibrante como o esporte - em destaque o futebol -, virar capacho desta pouca vergonha de sabidões ganaciosos. Até quando o povo brasileiro vai fazer ouvidos moucos à estas patifarias? Nosso País transformou-se realmente num valhacouto de bandidos e degenerados? A volta a forma de disputa antiga, não premiará aos Clubes mais competentes. alguem tem dúvida? A CBF vive, diuturnamente, maquinando situações onde possam, estes apaniguados, faturar num caixa 2 dando vazão as suas vocações de Nababos. Vejam se existe necessidade da construção de uma nova sede daquela Autarquia... Ninguem percebe os olhares de rapina por parte dos seus dirigentes, não? Não? Então!...